Começo por partilhar uma frase, que um dia partilharam comigo, e... que significa muito para mim: "A nossa maior glória não está em nunca cairmos, mas sim em nos levantarmos de cada vez que caímos." (Confúcio, 500 a.c.)

22
Nov 10

Olá a todos...

Pois, eu sei... não escrevo há muito.

É mesmo o trabalho. E alguns imprevistos pelo meio.

Não me consigo organizar de forma a ter tempo para fazer tudo o que me apetece. :(

E o que seria a vida sem obstáculos?

Como diz o meu "rapaz", que monotonia... temos que ultrapassar barreiras!

 

Mas...hoje venho apenas partilhar algumas frases:

 

"A vida é uma tragédia quando vista de perto, mas uma comédia quando vista de longe." (Charles Chaplin)

 

"Cada pessoa que passa em nossa vida passa sozinha e não nos deixa só porque deixa um pouco de si e leva um pouquinho de nós. Essa é a mais bela responsabilidade da vida e a prova de que as pessoas não se encontram por acaso." (Charles Chaplin)

 

"A Felicidade é um estado de alma que se consegue através da conquista de valores que consideramos imprescindíveis para viver em paz."

 

O importante é não vivermos uma felicidade aparente. É sermos nós mesmos, sentirmo-nos bem.... Partilhar e Sorrir!!!

 

Beijocas e não se esqueçam de SORRIIIIIIIIIIIRRRRRRRRRRR.............

publicado por Filipa às 00:28

23
Jun 10

"Se pudéssemos ter consciência do quanto a nossa vida é passageira,
talvez pensássemos duas vezes antes de desperdiçar as oportunidades
que temos de ser e de fazer os outros felizes!!"

 

Afinal... A felicidade é feita de pequenos momentos!

 

Beijocas

publicado por Filipa às 21:24

31
Mai 10

Oláaaaa...

Ando desaparecida?

Pois... É verdade!

Mas, hoje tinha mesmo que passar por cá para vos aconselhar a ver o "Marley"...

Adorei este filme!

Achei-o simplesmente ... simples e cheio de emoção!

Uma mistura de sentimentos e também de ... lágrimas.

 

 

Era tão bom se as pessoas fossem todas tão fieis quanto os animais!
Imaginem quantas dores de cabeça poupavamos todos e quantos sorrisos ganhavamos...
Boa semana.
Beijinhos...

 

publicado por Filipa às 21:43

11
Abr 10

Palavras para quê?

Beijinhos,

Filipa

publicado por Filipa às 22:26

20
Mar 10

Olá a todos. 

"Será que vale a pena?" é o título da palestra a que assisti ontem na escola da Ana.

Esta palestra, sobre motivação e sonhos... luta e acreditar foi extremamente interessante.

O palestrante foi o Dr. Adelino Cunha.

A sua forma de chegar ao público é fascinante e a forma de o "agarrar" surpreendente.

Durante hora e meia falou sobre o será que vale a pena: 

Será que vale a pena sonhar?

Será que vale a pena esforçarmo-nos?
Será que vale a pena amar?
Será que vale a pena …
 
Resumindo toda a sua intervenção a duas máximas: RMP e NHD...
Questionam-se sobre o que significará? Pois, também eu quando o vi a escrever estas siglas no quadro. Ficarão ainda mais surpresos quando vos disser que significam:
Raios me partam...se não consigo e Não há desculpas.
Isso mesmo, vale a pena quando nos valorizamos, quando nos aplaudimos, quando lutamos, arriscamos e sobretudo acreditamos que somos capazes.
Partilhou exemplos do dia-a-dia, de êxitos, fracassos, riscos e formas de estar na vida.
Partilhou connosco algumas questões e visões de estar no mundo e viver.
Face a um problema a primeira questão será: - Já alguém conseguiu? então RMP e NHD. E porque "dos fracos não reza a história" não nos resta outra saída senão lutar, trabalhar, aliás pedir trabalho, e acreditar...
Em suma: Vale sempre a pena!
Vamos viver cada momento intensamente, porque,... Vale a pena! 
Beijinhos

 

publicado por Filipa às 14:35

17
Mar 10

Esqueci-me de vos dizer que vi o Invictus e que adorei...

Mais uma forma de estar na vida, que nos obriga a pensar...

A Aninha tentou ver, tal como o Avatar... 

Uma excelente forma de relacionamento com o ambiente, a meu ver!

Quanto à Aninha...adormece a ver os filmes, por muito interessantes que sejam...mas...é muito linda a minha maninha . Não é?

Cá fica um bocadinho destes dois filmes... Inté.

 

 

 

 

 

Beijinhos

publicado por Filipa às 15:13

 

Olá a todos...

É verdade há muito que não escrevo.

Padeço do mal da falta de tempo. Bem o tento contrariar, mas nem sempre consigo.

Hoje senti uma enorme saudade de escrever, de ver o meu blog de partilhar... e um e-mail que li aguçou-me ainda mais essa vontade.

Fala sobre as aprendizagens da vida.

Pois...A vida é feita de pequenas aprendizagens. 

Aprendizagens que nos moldam, nos tornam mais resistentes e em alguns casos mais frios e distantes, noutros mais maleáveis...

Partilho algumas frases convosco...

Aprendi....que ninguém é perfeito enquanto não te apaixonas.

Aprendi....que a vida é dura mas eu sou mais que ela!!

Aprendi que...as oportunidades nunca se perdem aquelas que desperdiças... alguém as aproveita!

Aprendi que... quando te importas com rancores e amarguras a felicidade vai para outra parte.

Aprendi que... devemos sempre dar palavras boas... porque amanhã nunca se sabe as que temos que ouvir.

Aprendi que...um sorriso é uma maneira económica de melhorar teu aspecto.

Aprendi que... não posso escolher como me sinto... mas posso sempre fazer alguma coisa.

Aprendi que...todos, todos querem viver no topo da montanha... mas toda a felicidade está durante a subida.

Aprendi que... temos que aproveitar da viagem e não apenas pensar na chegada.

Aprendi que...o melhor é dar conselhos só em duas circunstâncias... quando são pedidos e quando deles depende a vida.
Aprendi que...quanto menos tempo se desperdiça... mais coisas posso fazer.
E como o tempo é escasso, lá vou eu mergulhar novamente no trabalho.

Boa semana.

Beijinhos

 

publicado por Filipa às 14:59

25
Jan 10

Porque vale a pena parar e ver...

 

 

 

Boa semana.

Beijinhos

publicado por Filipa às 12:44

19
Jan 10

Hoje recebi, do Dominguinhos, o e-mail que a seguir partilho convosco.

E apeteceu-me partilhar convosco a importância que o Domingos e a Rosinha tiveram/têm na minha vida...

O Domingos e a Rosinha começaram por ser dois colegas de trabalho.

Como tantos outros!

Mas estes colegas eram diferentes.

Havia qualquer coisa.

Ao Domingos, após várias tentativas consegui tratá-lo por "tu", era meu coordenador. Cargo que impõe algum respeito...

A Rosinha era uma aluada sorridente. Sempre bem disposta e muito meiguinha...

Foi preciso muito pouco tempo para perceber que eram muito especiais.

Depressa se tornaram bons amigos, confidentes, conselheiros... havia tanto a dizer para os definir...

À Rosinha chamo a "minha Rosinha", isto quer dizer tudo não é?

É como uma irmã...É linda! E dá uns abraços tão bons!!!! É tudo tão sentido e natural na "minha Rosinha". 

Ao Domingos chamo Dominguinhos.

Vejo-o como um mestre nestas coisas da escola e dos mestrados. Ponderado e racional, lá me "travava" quando chegava irritada ou triste à nossa salinha.

Tinha sempre uma visão sobre as coisas, que me fazia parar e questionar.

E tem! Continua a ter o dom de me fazer interrogar. 

E porque falo em amigos da escolinha, apareceram mais alguns que nunca mais desapareceram e que são muito especiais. Havia muito a dizer...

A Sandra...A Sandra é mais uma irmã.

A nossa amizade surgiu porque ela insistiu e não me deixou!

E ainda bem. 

Quando nos conhecemos andava com uns pensamentos estranhos e não queria mais amiguinhos nas escolas. Só assim não me custaria a distância...

Palerma!

Este pensamento durou pouco.

Esta menina entrou na minha vida, acho que na pior fase da minha vida.

Agarrou-me com toda a força que tinha e esteve sempre presente. Sempre!

É a força em pessoa. E é muito importante para mim.

Está grávida de uma linda menina,  a Laurinha, vai ser minha sobrinha ...

 

Bem, havia tanto a dizer sobre estes meninos... E sobre mais alguns...Mas a hora vai adiantada por isso hoje os mimos são para estes três amiguinhos.

 

Partilho o e-mail do Dominguinhos:

 

A Simple Hug


There's something in a simple hug
That always warms the heart;
It welcomes us back home
And makes it easier to part

A hug's a way to share the joy
And sad times we go through,
Or just a way for friends to say
They like you 'cause you're you

Hugs are meant for anyone
For whom we really care,
From your grandma to your neighbor,
Or a cuddly teddy bear

A hug is an amazing thing -
It's just the perfect way
To show the love we're feeling
But can't find the words to say

It's funny how a little hug
Makes everyone feel good;
In every place and type,
It's always understood

And hugs don't need new equipment,
Special batteries or parts
Just open up your arms
And open up your hearts

(by Johnny Ray Ryder Jr)

 

Beijinhos

 

publicado por Filipa às 00:43

18
Jan 10

Olá a todos!

Não tenho tido muito tempo nem muita disposição para escrever.

Mas hoje li um texto no blog de um grande amigo, o Miguel, que gostava de partilhar convosco.

Fala sobre coisas triviais do dia-a-dia, sobre o que já todos sabemos e tantas vezes esquecemos.

Sim, eu também!

Porque vale mesmo a pena partilhá-lo, basta um clique aqui.

Desejo-vos uma boa semana.

A minha será, mais uma, de intenso trabalho...mas como diz o Miguel, vamos fazê-lo com alegria .

Beijinhos 

 

 

publicado por Filipa às 01:50

08
Jan 10

Olá amiguinhos...

Pois...Não é novidade o tema dos abraços!

Nem é novidade que gosto muito de dar e receber abraços... (sou mesmo mimalha).

 

Porque sei que hoje há uma pessoa muito especial a precisar de um grande abraço e a precisar de sorrir, deixo-lhe um abraço virtual e um vídeo (já antigo) mas delicioso!

 

A todos os outros amiguinhos/amiguinhas ... sim... também deixo um abraço... Um abraço muito apertadinho, cheio de amizade, força e com votos de um 2010 fantástico.


 

Beijocas 

 

P.S.: É obrigatório sorrir e sentir!!!

 

publicado por Filipa às 15:15

27
Dez 09

Porque estamos no Natal, e esta época nos faz pensar em algumas coisas, deixo um breve pensamento que tive!

Em quase todos os momentos da nossa vida queremos ser óptimos profissionais, queremos ser reconhecidos e ter valor naquilo que fazemos… Sonhamos viver uma grande paixão, uma bela história de amor! Idealizamos uma casa junto mar, e fazemos planos para viajar pelo mundo, ter filhos...A história do conto de fadas! Sonhamos… Desejamos… e esquecemo-nos de viver o hoje. Às vezes até de investir no dia-a-dia! Pois… Mas há alturas, penso que quase sempre, em que as pequenas coisas nos fazem muito felizes e fazem com que nos sintamos realizados. Ouvir um olá sincero, um sorriso amigo, receber um abraço, uma flor, um e-mail, uma piscadela de olho, uma boa gargalhada, uma mensagem, um toque, dançar e cantar quando se ouve uma música com significado, tomar um chá quentinho, receber um olhar de compreensão de um/a amigo/a que sem palavras nos diz tudo o que queremos ouvir... E vivemos a vida, afinal, atrás de quê??? Quando olho para trás e, para o presente também, tenho pena de não ser/ter sido dona do meu tempo! A vida é bela porque é imprevisível...

Vamos vivê-la ao máximo... E aproveitar tudo o que ela nos dá!

 

publicado por Filipa às 22:02

21
Dez 09

Desde há uns tempos que me sinto revoltada, desconsolada, impotente e muito triste por causa de uma doença chamada Alzheimer…

Isto porque, a cada dia que passa me “rouba” mais um bocadinho da minha avó.

A minha avó foi e é uma grande mulher. Uma lutadora, uma esposa exemplar, uma mãe presente e uma avó preocupada.

Recordo muitos bons momentos passados com a minha avó e com o meu avô. As férias que passava em Baião, as brincadeiras e asneiras na loja, a apanha das pinhas, dos pinhões, das amoras... O meu avô foi-me “tirado” há muitos anos. Não quis a vida que ele nos acompanhasse e vibrasse com os nossos sucessos e alegrias. Quando podia viver em pleno veio a hemodiálise, os problemas cardíacos e mais uma panóplia de doenças… Nem imaginam como me lembro dele, a falta que me faz. E a saudade? Parece que aumenta com o passar do tempo, não é bem como diz a sabedoria popular "o tempo tudo cura"!

A minha avó parece que nos deixa aos poucos, (que desiste) como disse por causa dessa tão famosa doença que parece que faz parte do quotidiano de tanta gente…

É tão injusta!

Temos tentado aproveitar ao máximo todos os bocadinhos que a minha avó nos dá… mas há situações tão difíceis, tão deprimentes, tão injustas, tão revoltantes…Dificeis de exprimir. Só quem as vive diariamente saberá do que falo e o que sinto!

Por causa do Alzheimer vê, ouve e fala sobre realidades ausentes, inexistentes, fantasiosas … e afirma-as com tanta convicção que nos dói ouvi-la…

Se antes não sabíamos lidar com esta doença, nem entendíamos o que se passava, actualmente lê-mos e partilhamos muita informação…

Se por vezes nos dá vontade de a chamar à razão, de imediato decidimos não a contrariar e conversar com ela, dar-lhe atenção, tentar perceber a realidade em que de vez em quando vive... Como diz uma amiga minha, pensa que é pior para vocês, ela não se apercebe, nem sofre como vocês…. Às vezes quero acreditar que é mesmo assim. Mas será?

E questiono-me e revolto-me sobre tantas outras coisas… mas não encontro respostas!

Dá muito, muito, muito trabalho e é muito cansativo lidar diariamente com situações inesperadas que este dito Alzheimer teima em nos dar, mas deu-nos outra coisa, fortaleceu-nos enquanto família. Cá em casa gerimos tudo de forma a estar sempre alguém a fazer companhia à minha avó, as nossas saídas em família acabaram, mas os nossos laços fortaleceram-se…

Só espero tê-la aqui muito tempo e com o máximo de lucidez…

E…a quem têm avós aconselho a “aproveitá-los” ao máximo…

É o que fazemos cá por casa, por exemplo, por opção este ano ficaremos no Natal e na noite da passagem de ano todos juntos… tentaremos fazer deste Natal um Natal muito especial… Inesquecível…

A todos desejo um excelente Natal.

Beijinhos

publicado por Filipa às 15:34

20
Dez 09

Entra em acção em www.greenpeace.pt
publicado por Filipa às 12:05

13
Dez 09

Vá-se lá saber porquê... mas este tema desperta-me interesse!

Geologia? Sistema Solar? Cosmos? Terra? Planeta? Sol?

Porque será? 

Pois... acabei de ver o 2012 e fiquei fascinada.

https://blogs.sapo.pt/stc/fckeditor/editor/images/spacer.gif

 

 

 E a seguir fui pesquisar sobre o que havia de científico em torno do tema...

E descobri algo bastante interessante que partilho convosco e sobre o qual procuro ler mais em breve ...

Cá está... e foi retirado do ciência hoje....

 (http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=21960&op=all)


As profecias de fim de mundo têm sempre um atractivo especial. Bastante atractivas são também as histórias sobre conhecimentos ocultos detidos por civilizações antigas. Vem isto a propósito do documentário feito pelo History Channel sobre a Profecia Maia, e que já se encontra à venda para o público (assim como vários livros sobre o mesmo assunto). O documentário pareceu-me bastante interessante e apelativo.

* Estudante de doutoramento em Educação Científica com especialização em Astrobiologia, na Universidade do Texas em Austin nos EUA (Carlos Oliveira)


Basicamente a ideia é que os Maias, que tinham um calendário mais preciso, mais complexo e muito mais holístico que o nosso, previram vários acontecimentos que entretanto se passaram, como a chegada do homem branco - Hernan Cortez - a 8 de Novembro de 1519. Este calendário Maia prevê que algo de muito grave se passará no solestício de Inverno, 21 de Dezembro, de 2012. Tão grave será o acontecimento, que o mundo tal como o conhecemos desaparecerá. Isto não quer dizer que o mundo acabará, quer simplesmente dizer que um grande acontecimento transformará o mundo. 

Ora, sabe-se actualmente que nesta data durante o solestício a Terra estará alinhada com o Sol e com o centro da nossa galáxia, Via Láctea. Sabe-se que no centro da Galáxia existe um buraco negro supermassivo. Baseados em Einstein e em alguma informação astronómica, há quem diga que o alinhamento com este buraco negro supermassivo levará a uma mudança do campo magnético terrestre, que acontece periodicamente. Isto levará a tsunamis, vulcões, terramotos, etc. 

Outras Profecias 

Curioso no documentário foi eles relacionarem com outras profecias. Por exemplo, o muito antigo I Ching é um livro Chinês sobre concepções do mundo e filosofias de vida, que contém algumas previsões se utilizarmos a teoria “Time Wave Zero”. Usando esta técnica vê-se que o livro Chinês prevê que o mundo irá acabar a 21 de Dezembro de 2012. 

Ligaram também a Merlin, o mágico da corte do Rei Artur. Pelos vistos estes profetas medievais (existiam vários Merlin), previram Napoleão, Hitler, o nome da primeira colónia na América, etc. Previram também que neste século irá haver um ataque nuclear terrorista no Reino Unido que matará centenas de milhares de pessoas, que o aquecimento global será demasiado evidente e que... irá haver uma mudança do campo magnético terrestre que levará a um desastre global. 

Outra pessoa mencionada foi Sibyl, uma profeta/oráculo em Roma - tal como a de Delphi na Grécia. Ela também previu correctamente vários acontecimentos, entre os quais o fim do mundo para mais ou menos a mesma data que os anteriores. 

Discutiram também um projecto chamado de webbot que faz previsões a partir daquilo que vai aparecendo pela web. Supostamente previram os acontecimentos de 11 de Setembro em Junho de 2001. Este projecto prevê um acontecimento global para 2012. 

Tudo isto dá que pensar que são muitas previsões coincidentes, sendo a Maia a mais relevante. 

Análise Crítica 

O documentário fala de outros “profetas”: "Mother Shipton", Bíblia, Nativos Americanos, e muitos outros.... em que todos eles prevêem o fim do mundo. Mas isto é normal. Toda a gente prevê más notícias - é este tipo de notícias que vende - o medo vende. Nenhum destes outros casos previu o final do mundo para 2012, mas o documentário tentou pôr tudo no mesmo saco, enganando os espectadores. Estranho é que não tenham referido a previsão feita pelos criadores da série Ficheiros Secretos que no episódio “A Verdade” apontaram para 22 de Dezembro de 2012 como o dia da invasão dos extraterrestres! 
Podem ver críticas ao documentário aqui: 
http://skeptico.blogs.com/skeptico/2006/08/2012_mayan_prop.html
http://alignment2012.com/historychannel.html 

Em termos das previsões "acertadas", lembremo-nos que as previsões são sempre bastante vagas e muitas interpretações cabem lá dentro; cabendo sempre as interpretações que nós queremos dar... após os acontecimentos. Por outro lado, a estatística explica bastante bem as previsões que até possam ter sido específicas e acertaram. Todos os dias no mundo há imensas previsões feitas e estatisticamente falando algumas têm que ser acertadas! Dar relevância às que pensamos ser certas, não percebendo que existem muitas mais que são erradas é um erro muito comum em estatística. 

Em termos históricos, basta lermos alguns livros para percebemos que em todas as eras existiram pessoas a prever que o fim estava perto. Sempre foi assim e sempre será, porque isso é que fará do nosso tempo o mais importante para viver. É uma mentalidade temporalcêntrica. E é bom relembrar que todas essas pessoas, sem excepção, estavam enganadas. 

Geocentrismo Temporal 

Em termos astronómicos, somos um simples ponto num universo gigantesco. Imaginar que temos qualquer relevância em termos espaciais ou temporais é antropocentrismo no seu pior – quando na Ficção Científica lemos ou vemos que extraterrestres vêm à Terra para mudar o curso da nossa história e do resto do universo temos que ver isto somente como uma forma de entretenimento. É um Geocentrismo temporal – continuamos a pensar que somos especiais no Universo, neste caso em termos de tempo. O mesmo se passa nestas previsões. 

É interessante ver que as previsões são só sobre o que se passa numa parte de um minúsculo ponto do espaço – Terra; na Ficção Científica quando se viaja no Tempo é dado a entender que não viajamos no espaço e as pessoas aparecem no mesmo sítio mas em tempos diferentes. Ambas as situações estão erradas porque se baseiam na premissa que as viagens no espaço estão estagnadas. Mas o que se passa de facto é que a Terra roda em torno de si própria, a Terra viaja pelo espaço ao redor do Sol, o Sol viaja à volta da Via Láctea, a Via Láctea por seu turno também se movimenta em direcção a outras galáxias no nosso Grupo Local, o Grupo Local também viaja.... e assim sucessivamente.

Nada está parado no espaço. Se eu viajar no tempo 1 dia que seja, e esperar não sair deste ponto, então já não me vou encontrar nesta sala, mas sim algures a flutuar no espaço! O tempo e o espaço estão interligados - quem diz que consegue ver o futuro, está não só a afirmar isso mesmo, mas está incrivelmente também a dizer que consegue ver os eventos que acontecerão num pontinho irrelevante do espaço que se encontra a muitos milhões de quilómetros de distância (no ponto do espaço onde a Terra estará no futuro). 
Em 2013 voltarei a este assunto.  

 

Beijocas 

 

 

 

publicado por Filipa às 23:06

06
Dez 09

Olá.

Não tenho tido tempo para escrever, nem para partilhar o que vou recebendo...

Mas não podia deixar de partilhar este vídeo.

O Natal está próximo e às vezes esquecemo-nos do seu verdadeiro significado.

Compramos muitas prendas, fazemos listas intermináveis e andamos montes de tempo à procura de um presente especial e ideal para esta ou para aquela pessoa.

Eu não fujo à regra. E até andava bem preocupada por ainda não ter dedicado nenhum do meu pouco tempo livre às compras.

O certo, é que o vídeo que se segue me fez parar e pensar.

Não é nada que não saibamos já.

É um reforço de uma ideia apenas.

Cá está...

 

 

Beijinhos...

publicado por Filipa às 17:23

21
Nov 09

 

Olá.

Hoje partilho um texto que recebi por e-mail...

Beijinhos

 

«Quando alguém te ama, a maneira como pronuncia o teu nome é diferente. Tu sentes que o teu nome está seguro na boca dessa pessoa.» (Billy, 4 anos)

 

«O amor é quando uma rapariga põe perfume e um rapaz põe colónia da barba e vão sair e se cheiram um ao outro.» (Karl, 5 anos)

 

«O amor é quando vais comer fora e dás grande parte das tuas batatas fritas a alguém, sem a obrigares a darem-te das dele.» (Chrissy, 6 anos)

 

«O amor é o que te faz sorrir quando estás cansado.» (Terri, 4 anos)

 

«O amor é quando a minha mamã faz café ao meu papá e bebe um golinho antes de lho dar, para ter a certeza de que o sabor está bom.» (Danny, 7 anos)

 

«O amor é estar sempre a dar beijinhos. E, depois, quando já estás cansado dos beijinhos, ainda queres estar ao pé daquela pessoa e falar com ela. O meu pai e a minha mãe são assim. Eles são um bocado nojentos quando se beijam.» (Emily, 8 anos)

 

«O amor é aquilo que está contigo na sala, no Natal, se parares de abrir os presentes e escutares com atenção.» (Bobby, 7 anos)

 

«Se queres aprender mais sobre o amor, deves começar por um amigo que odeies.» (Nikka, 6 anos)

 

«O amor é quando dizes a um rapaz que gostas da camisa dele e, depois, ele usa-a todos os dias.» (Noelle, 7 anos)

 

«O amor é quando um velhinho e uma velhinha ainda são amigos, mesmo depois de se conhecerem muito bem.» (Tommy, 6 anos)

 

«Durante o meu recital de piano, eu estava no palco e sentia-me apavorada. Olhei para todas as pessoas que estavam a olhar para mim, e reparei no meu pai que estava a acenar-me e a sorrir. Era a   única pessoa a fazer aquilo. O medo desapareceu» (Cindy, 8 anos)

 

«A minha mãe ama-me mais do que ninguém. Não vês mais ninguém a dar-me beijinhos para dormir.» (Clare, 6 anos)

 

«Amor é quando a mamã dá ao papá o melhor pedaço da galinha.» (Elaine, 5 anos)

 

«Amor é quando a mamã vê o papá bem cheiroso e arranjadinho e diz que ele ainda é mais bonito do que o Robert Redford.» (Chris, 7 anos)

 

«Amor é quando o teu cãozinho te lambe a cara toda, apesar de o teres deixado sozinho todo o dia .» (Mary Ann, 4 anos)   

 

«Eu sei que a minha irmã mais velha me ama, porque me dá todas as roupas usadas e tem de ir comprar outras.» (Lauren, 4 anos)

 

«Quando amas alguém, as tuas pestanas andam para cima e para baixo e saem estrelinhas de ti.» (quanta arte!) (Karen, 7 anos)

 

«Amor é quando a mamã vê o papá na casa de banho e não acha isso indecente.» (Mark, 6 anos)

 

«Nunca devemos dizer 'Amo-te', a menos que seja mesmo verdade. Mas se é mesmo verdade, devemos dizer muitas vezes. As pessoas esquecem-se .» (Jessica, 8 anos)

 

E a última? O autor e conferencista Leo Buscaglia falou de um concurso em que ele teve de ser júri. O objectivo era encontrar a criança mais cuidadosa.

O vencedor foi um rapazinho de quatro anos, cujo vizinho era um velhote que perdera recentemente a sua esposa. Depois de ter visto o senhor a chorar, o menino foi ao quintal do velhote, subiu para o seu colo e sentou-se. Quando a mãe  perguntou o que dissera ao vizinho,  o rapazinho disse:

"Nada, só o ajudei a chorar".

 

 

«Quando a minha avó ficou com artrite, não se podia dobrar para pintar as unhas dos dedos dos pés. Portanto o meu avô faz sempre isso por ela, mesmo quando apanhou, também, artrite nas mãos. Isso é o amor.» (Rebeca, 8 anos)

 

Beijinhos

 

Devem ler até ao fim...

 

Hoje partilho um e-mail que acabei de receber e achei uma delícia...

publicado por Filipa às 18:38

17
Nov 09

Quem me conhece sabe que um dos meus maiores desejos (há muitos, muitos anos) é ser mãe.

Talvez porque tenho como referência a minha MÃE.

A minha (nossa) mãe viveu e vive muito em função de nós! Das nossas alegrias, tristezas, sucessos, conquistas…!

Abdicou de uma carreira profissional... também por nós.

Esteve e está sempre presente e atenta às nossas particularidades.

A sua maior preocupação foi transmitir-nos valores e ensinar-nos a "sentir", a reflectir... Já lhe disse algumas vezes, quando me desiludo com os outros, quando não entendo comportamentos e atitudes, que não sei se nos educou para o mundo em que vivemos, apesar de ter a certeza que nos educou muito bem ... da forma que eu gostaria de um dia educar um filho meu!

E porque a sociedade muda, mudam as mentalidades, as formas de educar e transmitir valores.

Mas será que a mudança é mesmo como no texto que a seguir partilho???

Fiquem bem,

 
"Para pensar"

O autor deste texto é João Pereira Coutinho, jornalista. Vale a pena ler!

"Não tenho filhos e tremo só de pensar. Os exemplos que vejo em volta não aconselham temeridades. Hordas de amigos constituem as respectivas proles e, apesar da benesse, não levam vidas descansadas. Pelo contrário: estão invariavelmente mergulhados numa angústia e numa ansiedade de contornos particularmente patológicos. Percebo porquê.

Há cem ou duzentos anos, a vida dependia do berço, da posição social e da fortuna familiar. Hoje, não. A criança nasce, não numa família mas numa pista de atletismo, com as barreiras da praxe: jardim-escola aos três, natação aos quatro, lições de piano aos cinco, escola aos seis, e um exército de professores, explicadores, educadores e psicólogos, como se a criança fosse um potro de competição. Eis a ideologia criminosa que se instalou definitivamente nas sociedades modernas: a vida não é para ser vivida - mas construída com sucessos pessoais e profissionais, uns atrás dos outros, em progressão geométrica para o infinito. 

É preciso o emprego de sonho, a casa de sonho, o maridinho de sonho, os amigos de sonho, as férias de sonho, os restaurantes de sonho.Não admira que, até 2020, um terço da população mundial esteja a tomar  Prozac. É a velha história da cenoura e do burro: quanto mais temos, mais queremos. 

Quanto mais queremos, mais desesperamos. A meritocracia gera uma insatisfação insaciável que acabará por arrasar o mais leve traço de humanidade. O que não deixa de ser uma lástima.Se as pessoas voltassem a ler os clássicos, sobretudo Montaigne, saberiam que o fim último da vida não é a excelência, mas sim a felicidade!"  

 

 Beijinhos

publicado por Filipa às 23:04

15
Nov 09

Cá está amiguinho .

Este Natal promete...

Beijinhos

 

 

 

publicado por Filipa às 23:57

Olá a todos .

Cá estou eu a escrever sobre um vídeo que vi no blog Terrear.

O vídeo não precisava de comentários. Fala por si!

Era tão bom que esta mensagem fizesse parte da nossa forma de estar na vida (sobretudo enquanto pais)...

Eu tive a sorte de ter pais a pensar como no video.

Mas sabemos, que não são todos assim.

Quanto a mim, muitas vezes me questiono sobre a influência dos meus comportamentos sobre os outros, enquanto amiga, familiar, colega, professora, aluna... enfim... em todos os contextos...

Sim, porque as nossas formas de estar e agir influenciam comportamentos...

É muito bom ouvir os meus antigos alunos a falar sobre determinados "episódios" bons passados em contexto escolar, sobre a influencia que poderei ter tido na escolha de uma carreira profissional... enfim, tantas coisas... mas isso também me faz questionar sobre o que poderá ter corrido menos bem.

A nossa prática enquanto educadores (e não só) tem que ser muito atenta e consciente...

Ainda há tanto a mudar...

Bem e agora ... vou tentar cumprir com os meus deveres enquanto aluna...

Vejam o vídeo que partilho hoje.

Fiquem bem, beijinhos e abracinhos...

 

 

 

publicado por Filipa às 15:19

as minhas fotos
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

28
29
30


Dúvidas? Sugestões?
Pesquisar
 
Se puderes ajuda!
blogs SAPO